Facebook

NEWS TECMES

Transporte e Mobilidade

Toyota inaugura no País o 1º centro de pesquisa da empresa na América Latina

Com o centro, filial brasileira poderá realizar modificações nos carros feitos no País e, no futuro, desenvolver modelos para a região; para montadora, sucesso da Olimpíada pode ajudar investidor externo a voltar a acreditar no Brasil

TOYOTA inaugura centro de pesquisa - ago16

Localizado em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, centro é o quarto no mundo fora do Japão

A Toyota inaugurou nesta segunda-feira, 22, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, o primeiro Centro de Pesquisa Aplicada da marca na América Latina e o quarto no mundo fora do Japão. Só há estruturas desse tipo nos Estados Unidos, Europa e Tailândia.

Com o centro, que recebeu investimento de R$ 46 milhões, a filial brasileira poderá, inicialmente, realizar, sem depender da matriz japonesa, modificações nos carros fabricados no País (o chamado face-lift), criar edições especiais e avaliar novos materiais e a capacidade técnica dos fornecedores de peças.

No futuro também podermos desenvolver carros para a região”, diz o presidente da Toyota para a América Latina e Caribe, Steve St. Angelo. Hoje, a maioria dos veículos da Toyota são criados no Japão e, com a alta demanda, muitas vezes há “fila de espera” para projetos voltados a outras regiões.

O primeiro trabalho do centro já está no mercado, o Etios Platinum, com mudanças visuais nas partes dianteira e traseira, foi lançado no início do mês. Segundo o presidente da Toyota Brasil, Koji Kondo, as atividades do centro incluem também melhorias nos modelos locais, testes de emissões, análise de matérias-primas e desenvolvimento de acessórios.

É um grande passo para alcançarmos auto eficiência e para cumprir as regras do Inovar Auto”, afirma Kondo, referindo-se ao programa automotivo que incentiva o desenvolvimento de motores mais eficientes e menos poluentes.

A primeira fábrica do grupo no Brasil, inaugurada em 1962 e que hoje produz componentes e abriga a sede administrativa da empresa, foi escolhida para receber o projeto, que reúne áreas de engenharia, regulamentação veicular, qualidade e design.

É o terceiro projeto que a unidade do ABC paulista, que por vários anos produziu o Jipe Bandeirante, recebeu após o início do programa chamado de “revitalização da fábrica do ABC”. O primeiro, em 2014, foi a ampliação da área de forjaria (que faz peças de exportação) e o segundo a transferência da sede administrativa de São Paulo. Ao todo, foram gastos até agora nesse programa R$ 65 milhões. “Sabemos que a economia passa por grandes dificuldades e investir numa hora dessas é um ato de coragem que só pode ser tomado por quem realmente acredita no País”, diz Percival Maiante, vice-presidente corporativo da Toyota do Brasil.

Em cerimônia que reuniu executivos do grupo, autoridades do Estado e do Município, dirigentes sindicais e trabalhadores de todas as  unidades da montadora no País, a Toyota também lançou ontem o projeto global “5 Continents Drive”.

Consiste em promover uma caravana por seis países da América Latina, comandada por 30 engenheiros, com os modelos da marca vendidos na região. O objetivo é testar os carros em diferentes condições de rodagem. Os dados colhidos serão base para o aperfeiçoamento dos modelos. Testes similares já foram feitos na Austrália e na América do Norte.

A Cerimônia foi marcada com discursos e elogios à organização e às vitórias do Brasil na Olimpíada do Rio. St.Angelo diz acreditar que o evento esportivo terá boas influências entre os investidores externos a voltarem a acreditar no Brasil. Entusiasmado e brincalhão, diz que o País precisa falar de coisas boas e parar de falar em coisas ruins. “Declaro que, desde sábado, com a vitória do futebol brasileiro, a recessão acabou”.

Enquanto o mercado total registra queda de 24% nas vendas de veículos de janeiro a julho, a Toyota caiu apenas 0,9% em elação a 2015. Até o fim do ano, espera vender 180 mil unidades, 2% acima do ano anterior. St. Angelo ressalta, contudo, que o grupo opera no prejuízo.

Fonte: O Estado de São Paulo 23/08/2016

Postado em:

Categoria 1, Categoria 2

Tags:

tag 1, tag 2, tag 3